Blog Dr. Inácio Ferreira
Carlos A. Baccelli, terça-feira, 27 de outubro de 2009
Diminuir | Aumentar

POR QUE SÓ NA OUTRA ENCARNAÇÃO?
Tenho ouvido muitas espíritas repetirem: “Na outra encarnação, fulano há de colher o que plantou…”
Outros dizem assim: “Na outra encarnação, eu farei as pazes com sicrano…”
E vai por aí afora: na outra encarnação; isso, na outra encarnação aquilo…
Ora, será que já lhes ocorreu que, pensando dessa maneira, estão desconsiderando o chamado tempo de intermitência entre uma encarnação e outra? De que valerá, para o espírito, a experiência que medeia entre uma existência e outra no corpo físico? Será a vida no Mundo Espiritual, no que tange à Evolução, completamente nula?!
Eis algumas perguntas que merecem reflexão: O espírito pode se aperfeiçoar no Mundo Espiritual e voltar à Terra em melhores condições? Ele pode, por exemplo, se reconciliar com um desafeto no Mais Além? Pode começar a fazer por Lá, ou seja, por aqui, o que não fez quando encarnado?
Carlos T. Pastorino, autor de “Minutos de Sabedoria”, costumava dizer, e com razão, que o espírita se refere à Vida além da morte como sendo “Outra Vida”, quando a Vida é sempre a mesma, ou, por outras palavras, Única!
A Vida, com a morte do corpo, hora alguma, sofre solução de continuidade – o espírito não para de respirar, de pensar, enfim, de ser o que, essencialmente, é!
Quem se refere à “outra encarnação”, está, como que, inconscientemente, suprimindo as experiências que podem e devem ser vivenciadas na Vida que prossegue, sem alteração, para além das fronteiras do túmulo.
Quantos, porém, infelizmente, continuam a se sugestionar, postergando para a próxima experiência no corpo carnal o que devem e podem começar a fazer desde agora – e, caso não seja possível agora, sobre a Terra, que se faça possível na Vida imediata, que é esta aqui, onde estou e para onde vocês virão!
Neste sentido, André Luiz, através de Chico Xavier, começou a nos mostrar um Mundo Espiritual mais humano, porém ainda não tão humano quanto, de fato, ele é! É que André Luiz, sob o amparo dos Espíritos Superiores, teve que administrar essa transição de uma cultura religiosa antiga para o novo paradigma que o Espiritismo propõe.
Portanto, meus caros, comecemos a rever, em nossas palestras e ditos cotidianos, essa questão, que, embora não nos pareça, se mostra de suma gravidade em nosso inconsciente, para uma Vida mais plena na Terra e nas Dimensões Espirituais.
O que não se pode viabilizar sobre a Terra não carece de esperar pela “outra encarnação” para se viabilizar, concordam?
Se todos os mundos e todas as existências são, naturalmente, solidárias, o Mundo Espiritual não pode ser excluído do contexto evolutivo, e o espírito, mesmo após o seu desenlace, será chamado a fazer o que não fez.
Com essa história de “outra encarnação” é que muita gente vem dormir neste Outro Lado, imaginando, com certeza, que aqui seja um berçário ou algo semelhante… Os que fixam a mente na “outra encarnação” ficam pouco tempo por aqui!
Preparem-se para Vida ativa no Mais Além! Antes de voltar à Terra, em novo corpo, o espírito terá por aquioportunidades semelhantes às que teve no mundo – oportunidades de trabalhar, estudar e tentar consertar os equívocos cometidos! Isto é possível, sim, porque o Mundo Espiritual é também um campo de ação e reação!
Espero que, com tão poucas palavras, eu tenha me feito entender.
Com o meu abraço,
INÁCIO FERREIRA

Uberaba – MG, 27 de outubro de 2009

Veja m

Anúncios