A bela princesa pertencia a uma das dinastias mais importantes do antigo Egito, casou-se com um guerreiro, que comandava as tropas do faraó, tendo um único filho desse casamento.

Um dia durante uma batalha o jovem comandante cai, vítima de traição nas mãos dos inmimigos do faraó, sendo morto, a bela princesa se desespera, luta com todas as suas para os culpados serem encontrados, amigos do jovem comandante tentam ajudá-la em vão, cai em desgraça e, todo o luxo que vivia enteriormente se reduz em migalhas, muitos tentam desposá-la, mas o seu amado do outro lado encontra-se revoltado, mas o tempo foi impedioso e, finalmente ela cede as tentações do luxo e da riqueza unindo-se a outro homem, que justamente é dos quais planejou a morte se seu amado.

Mas o tempo passa, muitas vidas são vividas, e a volta com seu amado se dá muitas vezes, mas nunca encontrando a paz necessária para viverem juntos, até que na idade média surge a oportunidade ideal de terem uma vida sem atropelos ou guerras a separa-lhe as vidas.

No plano espiritual festejam a volta juntos, agora voltando a viver juntos, com aquela paz que tinham na época do velho Egito, já eram passados quase 4000 anos, parece absurdo, mas como ambos tinham espíritos aventureiros, excessivamente orgulhos se encontram, mas sempre havia alguma coisa que os separava.

No planejamento dos dois nasceriam na velha França, lá pelo ano de 1592, em uma pequena aldeia, onde se reencontrariam para agora enfim reviverem juntos o seu amor. Realmente tudo aconteceu como o planejado a primeira filha, Catarina, o segundo filho seria aquele filho do Egito, que cresceu sem seu pai.

Viviam nas terras de um velho conde, que nunca casara, homem rico e poderoso, não tinha herdeiros, vivia ao lado de sua irmã, tal como ele solteira. Homem conhecido pela sua ambição, costumava deflorar todas as mmoças que viviam em suas terras, junto com seus soldados, impondo rígidas leis, que nenhum direito dava.

Com uns 6 anos de casado, finalmmente o conde toma conhecimento de bela moça que vive em sua terras, acho esquisito, nunca ter ouvido falar nela, mas é que seus pais sendo previdentes sempre a preservaram dos olhares alheios, justo por perceberem toda a sua beleza, que chamava atenção.

Conhecido por ser um homem cumprimidor dos seus deveres com o conde, Michel, jamais deixara nada em atraso, por ser um jovem entendor de suas responsabilidades com o dono das terras e, com sua família apesar das muitas dificuldades que passavam.

O conde enlouqueceu de paixão pela jovem Amelie, já passava de todos os limites imagináveis e possíveis, seus convites para jovem visitar o seu castelo, nada adiantava nenhum plano surtia efeito. Ele continuava a importunar todas as jovens daquela região, mas com Amelie, seria mais do que possuí-la por uma única vez, queira ela para ele, mas como fazer?

Passav-se quase um ano, um dia um velho comparsa descobriu que o jovem Michel, gostava muito de caçar para melhor provir as necessidades de sua família, demorando-se por até dois dias fora de casa, as insinuações do conde a jovem já percebera, aproveitando-se da ausência de Michel, ele e seus homens invadiram sua casa e, finalmente o conde pode saciar, seus desejos animalescos violentando a jovem na frente de sua filha.

Mas o pior estava por vir, por conseguido uma boa caça e, por uma forte intuição o jovem antecipou, sua volta, ao chegar em casa deparou-se com todos aquels homens em sua casa, tomando-se de espanto se aproximou de forma segura, em busca de sua família, encontrando a pobre mulher de forma lastimável e, a criança em choque, cusando-lhe grande revolta, armou-se com seu machado e de pronto matou um soldado, depois de feroz luta acabou sendo morto, levando com sigo 5 soldados do conde.

A notícia correu as terras, onde o conde esclareceu que o jovem num ataque de loucura, tinha sido contido por seus homens, lamentando tê-lo morto, pois estava muito agressivo, tando morto inclusive 5 de seus homens. A jovem esposa foi levada para o castelo e trancada em uma sala para servir de instrumento para o conde que pretendia casar-se com ela.

Mas a  tristeza pela morte do esposo, invadiu sua alma, sem forças acabou morrendo.

Ao observarmos quem era o conde, era o mesmo que por cobiça havia tramado toda a queda do jovem comandante no Egito, mais uma vez com sua cobiça, tornara-se algoz deste casal novamente.

Passado algum tempo novo planejamento fora feito para o casal, agora apesar de nascerem na mesma época, seriam colocados distantes, um mnasceria na Itália e, o outro na hoje Hungria. Ela viria com seu algoz, vê se agora finalmente encontrariam pelo menos a paz entre os dois, mais uma vez a mesma menina Catarina viria como sua filha, seu casamento transcorria muito bem, até um dia procurar por seu marido comerciante um jovem, vindo de longe que também era negociante.

Ao entrar em sua casa aquele jovem causou grande impacto sobre a jovem senhora, tirando-lhe de todo e qualquer senso, foi arrebatador sua visão, quando cruzaram os olhos e, cemeçaram a conversar, tudo fluia de forma rápida, ela jamais sentira aquilo que sentirá por aquele jovem, nem seu marido nunca lhe causara tanto impacto.

Se entregando aos desejos da carne, os dois passaram a ter encontros regulares, mas um dia o jovem necessitou ir embora e, ela sem a menor dúvida o acompanhou, pois tina descoberto um amor, a vida segui mas o jovem de belas feições, jamais naquela vida se sustentou apenas com uma mmulher, causando-lhe grandes sofrimentos, abreviando sua vida.

A criança foi criada pelo pai(conde) mais uma vez pela mesma irmã de vidas passadas, que mais uma vez criuou a criança.

A história contínua até os dias de hoje, onde o reencontro seria fatal, se conhecem mas nem desconfiam de todas as histórias que já haviam vivido desde muito.

O que vai acontecer com esse reencontro, só saberá daqui a uns 50 anos quando voltarem para o plano espiritual e poderem contar suas histórias. Interessante que todos estão bem próximos mais uma vez.

Abraço fraterno.

Anúncios