Reunião pública de 15/1/60
Questão nº 30
No trato da mediunidade, não andemos à cata de louros terrestres, nem
mesmo esperemos pelo entendimento imediato das criaturas.
Age e serve, ajuda e socorre sem recompensa.
Recordemos Jesus e os fenômenos do espírito.
Ainda criança, ele se submete, no Templo, ao exame de homens doutos
que lhe ouvem o verbo com imensa admiração, mas a atitude dos sábios não
passa de êxtase improdutivo.
João Batista, o amigo eleito para organizar-lhe os caminhos, depois de vê-lo
nimbado de luz, em plena consagração messiânica, ante as vozes diretas do
Plano Superior, envia mensageiros para lhe verificarem a idoneidade.
Dos nazarenos que lhe desfrutam a convivência, apenas recebe zombaria e
desprezo.
Dos enfermos que lhe ouvem o sermão do monte, buscando tocá-lo,
ansiosos, na expectativa da própria cura, não se destaca um só para segui-lo
até à cruz.
Dos setenta discípulos designados para misteres santificantes, não há
lembrança de qualquer deles, na lealdade maior.
Dos seguidores que comeram os pães multiplicados, ninguém surge
perguntando pelo burilamento da alma.
Dos numerosos doentes por ele reerguidos à bênção da saúde, nenhum
aparece, nos instantes amargos, para testemunhar-lhe agradecimento.
Nicodemos, que podia assimilar-lhe os princípios, procura-lhe a palavra, na
sombra noturna, sem coragem de liberar-se dos preconceitos.
Dos admiradores que o saúdam em regozijo, na entrada triunfal em
Jerusalém, não emerge uma voz para defendê-lo das falsas acusações,
perante a justiça.
Judas, que lhe conhece a intimidade, não hesita em comprometer-lhe a
obra, diante dos interesses inferiores.
Somente aqueles que modificaram as próprias vidas foram capazes de
refleti-lo, na glória do apostolado.
Pedro, fraco, fez-se forte na fé, e, esquecendo a si mesmo, busca servi-lo
até à morte.
Maria de Magdala, tresmalhada na obsessão, recupera o próprio equilíbrio
e, apagando-se na humildade, converte-se em mensageira de esperança e
ressurreição.
Joana de Cusa, amolecida no conforto doméstico, olvida as conveniências
humanas e acompanha-lhe os passos, sem vacilar no martírio.
Paulo de Tarso, o perseguidor, aceita-lhe a palavra amorosa e estende-lhe
a Boa-Nova em suprema renúncia.
Não detenhas, assim, qualquer ilusão à frente dos fenômenos  medianímicos.
Encontrarás sempre, e por toda parte, muitas pessoas beneficiadas e crentes,
como testemunhas convencidas e deslumbradas diante deles; mas, apenas
aquelas que transfiguram a si mesmas, aperfeiçoando-se em bases de  sacrifício pela felicidade dos outros,

conseguem aproveitá-los no serviço  constante em louvor do bem.

* do livro Seara do Mediuns – Chico Xavier /Emanuell

Anúncios