Prezado (a) Amigo (a) espírita ou simpatizante da doutrina

Boa tarde

Fato recente, de suma gravidade, aconteceu em uma instituição espírita de Fortaleza, merecendo a atenção, a vigilância e os devidos cuidados de todos nós espíritas ou simpatizantes da doutrina. Trata-se do crime de estelionato perpetrado por uma irmã, que se apresentou como espírita, contra inúmeras pessoas, mais desavisadas e de boa fé, que frequentam a organização espírita acima referida. Tratava-se de uma senhora, que se dizia advogada e que passou a frequentar a instituição, mostrando-se extremamente solícita, dedicada e eficiente, tendo logo conquistado a confiança de suas futuras vítimas, a ponto de, em pouco tempo, ser eleita vice-presidente da Casa.

Abordava as pessoas, propondo ajudá-las como advogada, de modo a resolver seus contenciosos judiciais, tal como aconteceu com uma frequentadora, a quem ela prometeu aumentar, substancialmente, o valor de sua aposentadoria, assim como, receber dinheiro atrasado, que lhe era devido, dessa aposentadoria, de acordo com a lei, mas, para tanto, pediu que a interessada lhe adiantasse uma quantia vultosa, segundo ela, para que o processo pudesse tramitar na justiça. Essa pobre vítima chegou a vender um bem imóvel, para dar-lhe a importância solicitada, na esperança de receber o que lhe fora prometido.

Pior, ainda, aconteceu: Como a instituição não tinha sede própria, ela encetou uma campanha de arrecadação de dinheiro, para a compra de um terreno e edificação do prédio, tendo conseguido angariar mais de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) das pessoas, que acreditaram na falsa advogada, a qual se valeu da credibilidade que todo espírita inspira, para ludibriá-las, traindo sua confiança. Como o terreno não foi adquirido em um prazo razoável, a direção da Casa começou a desconfiar de suas intenções. Face as evasivas da senhora em apreço, com desculpas não convincentes, a direção da Casa resolveu destituí-la das funções de vice-presidente e denunciá-la na polícia, registrando queixa contra ela.

Nesse ínterim, essa senhora, que com suas ações não recomendáveis, contraiu uma pesada dívida de consciência, evadiu-se, fugindo com os valores obtidos, fraudulentamente.

Caso alguém queira saber maiores detalhes sobre o ocorrido, dirija-se à Federação Espírita do Estado do Ceará, à Rua Princesa Isabel nº 255, Centro, para falar com um de seus Diretores, tendo em vista que a FEEC dispõe de farta documentação, que comprova o estelionato, assim como, do retrato da infratora e dos nomes fictícios dados por ela, que, inclusive, cometeu o mesmo crime em Belém-PA, fazendo mais de 50 vítimas, também, em uma instituição espírita de lá, o que motivou seu fichamento na polícia local e a expedição de um mandado de prisão para ela.

Pedimo-lhe a gentileza de alertar a diretoria de sua Casa Espírita sobre esse fato, a fim de que ela e seus frequentadores não venham a sofrer tão sérios prejuízos de ordem moral e financeira. A Federação Espírita do Estado do Ceará informou que vai comunicar tal ocorrência às outras Federativas Estaduais, para que também se precavenham contra esse tipo de golpe.

Fraternalmente,

Orlando Mota Maia

Anúncios