Há muito tempo atrás, diversos cavaleiros se envolviam em atos de grande selvageria, mas um deles era mais comedido, evitando os excessos cometidos por seus companheiros.

Os atos contra seus adversários causaria constrangimento em qualquer um que os observar-se hoje, o único que se empenhava em apenas vencer seus adversários, muitas vezes era considerado tolo, por querer manter o respeito aos seus adversários, tratando-os com dignidade.

O tempo passou, muito dos velhos companheiros se encontram no plano espiritual e, firmam acordo, que voltariam para resgatar suas dívidas que se avolumaram com o decorrer do tempo.

Projeto de vida preparado pelos mentores, retornam na doutrina espírita, aliando-se no trabalho redentor de suas vidas, envolvendo-se em vários trabalhos na casa espírita.

Um dia…. aquele velho companheiro, mais centrado, que tratava seus adversários com dignidade, se apresenta em uma reunião mediúnica, que a maioria faz parte. Infelizmente o velho companheiro encontra-se preso a legiões das trevas, do qual vem trazer uma mensagem.

Durante a conversação, o velho amigo é socorrido e, finalmente reencontra os velhos companheiros depois de muitos séculos, agora em trabalho redentor.

Pergunta-se por quê?

O velho amigo que se apresentava com uma condição moral superior naquela época, como teria ficado tanto tempo preso as trevas, qual seria o motivo? Como entender? Qual seria explicação?

O que se passou com o amigo, é o mesmo que se passa ainda com muitos, encarnados e desencarnados, a dor do remorso que prende as pessoas ao passado e, aos seus enganos.

 

Verdade temos que reconhecer os nossos erros e enganos, nos arrependermos, mas não ficarmos presos ao remorso, que causa grande dor em nós mesmos, temos que nos auto perdoar, para crescermos, as vezes é mais fácil perdoar o outro do que a nos perdoamos.

Por isso meus irmãos, vamos assumir o comando das nossas vidas, pois de outra forma, aos nos prendermos ao passado do remorso, estaremos caindo em uma armadilha criada por nós mesmos e, que infelizmente aparecerão muitos para se aproveitarem da situação, irmãos que só querem a nossa dor.

Sigamos em frente, apesar das quedas, dos tropeços, mas tentemos seguir ao mestre Jesus, para chegarmos a Deus, levantando-se com o trabalho da caridade diária em nossas vidas, começando por nós mesmos.

Abraço fraterno.

Anúncios